Houve um tempo, em que para muitos usuários, a internet se resumia ao portal de conteúdo do provedor que assinavam. Isso começou com a AOL e seu navegador completamente fechado, mas continuou com os grandes provedores nacionais: UOL e Terra, depois IG, Globo e mais alguns que nem existem mais.

Com o advento das redes sociais (sempre quis escrever isso), as pessoas passaram a ficar cada vez mais tempo dentro delas, e por isso as marcas foram com tudo pra lá, ignorando um princípio básico da comunicação:

Quem controla os meios, controla a informação

Todo mundo ignorou completamente a segurança de levar esse tráfego orgânico para suas próprias páginas e passaram a depender do Facebook.

Investiram muito em ter uma grande base de curtidas em suas páginas, tudo para garantir bastante interação e audiência para seu conteúdo. Até que o Facebook decidiu que seu conteúdo só apareceria para quem curtiu sua página se você pagasse. Isso foi lá em 2013 e tudo piorou um pouco desde então.

De lá para cá o alcance orgânico diminuiu cada vez mais. Todo aquele público que você comprou ou conquistou com seu conteúdo não vê mais nada que você posta.

Alcance orgânico do Facebook
Se em 2016 estava em 2%, agora não deve chegar a 1%

A grande verdade é que a culpa disso tudo é das empresas mesmo. Elas foram inocentes, ou gananciosas demais, e acharam que bastava pagar uma vez para conseguir aquele público e falar com ele para sempre.

No auge da raiva, houveram até empresas que apagaram suas páginas de lá, uma grande bobagem. O Facebook ainda é uma ótima ferramenta para atrair atenção de seus clientes, mas você precisa usar do jeito certo:

Tráfego Orgânico deve ir para suas próprias redes

A Rock Content entrou no mercado batendo MUITO nessa tecla: um blog é uma ferramenta essencial para o marketing digital. Todo o seu esforço em redes sociais deve ser voltado para levar seu cliente para suas próprias redes.

Tráfego Orgânico não tem nada a ver com trânsito

Imagine se a cada vez que você tem um novo produto ou conteúdo você precisar apelar para tráfego pago, seja de anúncios da rede de pesquisa ou de redes sociais. Seu negócio vai ser sustentável? Você vai conseguir atingir o ROI desejado?

Se hoje você trabalha com redes sociais apenas para gerar tráfego para seus produtos e novidades, sem nunca convidar seu usuário a se envolver com sua empresa de alguma forma, sua dependência da rede vai ficar insustentável.

É hora de tomar o controle do seu tráfego!

Aproveitando o tráfego orgânico

Considerando que nem tudo está perdido e seu site ou loja ainda geram visitas, é hora de levar seu lead ou cliente a engajar com você em seus próprios meios.

Existem várias formas simples de aproximar essa relação e ter o contato direto desse visitante, ao invés de depender do Facebook (ou Instagram ou LinkedIn ou YouTube ou Medium ou qualquer outra rede) para informar seu cliente de algo novo que você quer que ele veja.

O primeiro e mais óbvio é hospedar seu conteúdo em locais que te pertencem.

Blog: seu melhor amigo

Quando você tem um blog, você tem dezenas (centenas e até milhares) de páginas de entrada com conteúdo relacionado a você e a seu negócio que podem atrair clientes.

Dentro do seu blog você controla o que seu cliente vai ver, a experiência que ele vai ter e até mesmo para onde ele pode ir, colocando os links para páginas que quer visibilidade ou banners de ofertas de produtos que você oferece. Bem mais fácil vender assim, certo?

A plataforma mais comum e fácil para isso é o WordPress, hospede ele você mesmo. Tem empresas de hospedagem especializadas nisso que podem te ajudar muito se você não tiver uma empresa responsável pelo seu site ainda:

  • Porto Fácil: para sites com mais tráfego, que precisam de servidores dedicados ou VPS’s
  • Via Hospedagem: blogs e sites que ainda estão crescendo ou que não precisam da exclusividade de um servidor próprio
  • UOL Host e Locaweb: se você quer passar raiva com a hospedagem do site, assine um desses

Não vou entrar no mérito de hospedagens como o WordPress.com ou o Medium, pois entram na mesma categoria de conteúdo controlado por terceiros de alguma forma.

Newsletter: informe todos sobre as novidades

Sabe aquele post no Facebook que deu 10 curtidas? Se fosse na sua Newsletter você teria alcançado seus clientes e ainda fortaleceria sua imagem perante eles.

Sendy
O Sendy oferece o envio de newsletter mais barato do mercado

Nos velhos tempos dos blogs, usávamos RSS e o FeedBurner para enviar emails aos assinantes do site sempre que alguma novidade era publicada. Incrivelmente isso ainda funciona, mas temos soluções melhores e mais elegantes agora.

Você consegue hoje usar uma plataforma personalizada de emails para enviar suas newsletters por um preço baixo (ou até grátis). Minhas ferramentas favoritas são:

  • Mailchimp: clássico serviço de newsletter. Funciona muitíssimo bem, mas tem um preço um pouco mais salgado que outros. Pode usar gratuitamente para 2.000 assinantes e 12.000 emails por mês
  • Mailerlite: um forte concorrente do Mailchimp. Preços competitivos, mas um suporte menos eficiente. Uso grátis para 1.000 assinantes e 12.000 envios por mês. Oferecem algumas automações no plano gratuito.
  • Sendy: uma opção para quem entende mais o que está fazendo. O custo de envio de emails e baixíssimo, já que usa o serviço da Amazon para isso. Você precisa hospedar ele em algum lugar e saber mais de configuração de sistemas. Vale cada centavo e minuto do seu tempo se você envia mais que 50.000 emails por mês.

YouTube: vídeos são o futuro

Eu amo o YouTube, passo boa parte do meu tempo livre por lá. Ele é incrível para gerar atenção para o seu negócio e credibilidade para você, mas é péssimo para encaminhar seus clientes da forma que você precisa.

Não acho que deva ser abandonado, mas aquele vídeo que você inclui no seu site não pode vir de lá, precisa estar em uma hospedagem que você conhece e oferecer chamadas e conversões claras durante a exibição.

A Vidmonsters é incrível!

Existem alguns riscos em manter seu conteúdo e depender do YouTube: ele pode simplesmente banir seu canal e todo seu conteúdo vai embora. Ou simplesmente pode começar a exibir seu concorrente como vídeos sugeridos, o que é péssimo.

Existem opções para todos os bolsos quando falamos de hospedar seu próprio conteúdo. Lembrando que são vídeos, os tamanhos são enormes, o tráfego é enorme, então o custo não vai ser baixíssimo, mas existem empresas oferecendo isso por valores honestos:

  • VidMonters: startup de BH (do amigo Matt Montenegro), especializada em hospedagem de vídeos, lives e webinars. Você pode colocar gatilhos de conversão em qualquer lugar do vídeo, ele não exibe propagandas e ainda oferece formulário para captura de emails. Oferecem hospedagem grátis para 3 vídeos. Nunca mais coloque um link do Youtube na sua página inicial. Suporte em português.
  • Vimeo e Wistia: oferecem hospedagem por um preço legal e algumas opções de conversão também. Ambas tem um plano grátis e limitado para você testar e começar. Suporte em inglês.

Instagram: a rede da moda

Sua empresa e você provavelmente estão no Instagram. O alcance orgânico lá ainda é aceitável (se você cresceu sua base de forma orgânica e não comprou seguidores).

Instagram Pedro Villalobos

É difícil pensar em uma forma mais rápida e fácil de substituir o Stories para comunicar com seu público. Por isso para esse vou abrir uma excessão e oferecer uma alternativa:

Cresça sua base de forma orgânica com seguidores reais usando o Bume (trabalho com eles desde que começaram e não tenho como indicar mais alguém do que eles). Aproveite e aumente seu engajamento com seus seguidores também.

Quando tiver um número legal de seguidores, qualquer coisa mais que zero, ofereça algo incrível, exclusivo e interessante pela ferramenta de Melhores Amigos ou Close Friends.

Todos que solicitarem fazer parte dele vão ver seus conteúdos em destaque na barrinha do stories e vão ter mais interesse em interagir em acompanhar o que você fala. É o bom e velho marketing de permissão, mas aplicado a uma rede pública.

Sempre encante seu cliente

Não importa quais ou quantas redes você usar, o importante é sempre encantar seu cliente para mantê-lo interessado no que você tem a falar.

Isso às vezes parece ser muito difícil ou trabalhoso ou complexo. Mas a verdade é que se o relacionamento que você estabelece nas redes conseguir ser aprimorado com suas próprias plataformas, você vai ter um grupo de admiradores e promotores sempre dispostos a saber o que você tem a falar.

Eu provavelmente me esqueci ou não mencionei alguma rede alternativa ou ferramenta interessante. Os comentários são abertos pra isso mesmo 🙂